Esse efeito pode ser conquistado através de sancas-molduras comumente de gesso que dão acabamentos ao encontro dos tetos com as paredes.

Além do efeito estético, as sancas escondem fiações, tubulações e criam diferentes projetos luminotécnicos com iluminação que pode ser direta, indireta ou embutida, dependendo do modelo da sanca.

 

 

Sancas Abertas: Possuem a base aberta voltada para o teto com vazão de luz indireta. Podem ou não ter molduras.

Sancas Fechadas: Possuem a base fechada voltada para o teto e a iluminação é feita através de spots instalados na base. Podem ou não ter molduras.
Sancas Invertidas: Possuem a base voltada para as paredes, diferentemente das sancas convencionais que são voltadas para o teto, por isso é chamada invertida. E assim como as convencionais podem se abertas ou fechadas.
Sancas Rasgo de Luz: Possuem recortes no forro que permitem a vazão de luz.
Sancas Ilhas: Possuem a base no centro voltada para tetos/paredes.

Veja mais modelos de sancas:

As sancas abertas são as mais usadas, apesar do acúmulo de pó que com o tempo gera.

Sanca fechada com papel de parede no teto. É uma idéia bem interessante, no entanto, é preciso que fique em harmonia com o decoração do restante do ambiente para não sobrecarregar.

   As sancas invertidas são mais usadas como recurso de destacar alguma parede diferenciada.

Sanca fechada- Antigamente era usado pintar a sanca com uma cor diferente do teto, já hoje em dia a tendência é manter tudo da mesma cor.

Sancas invertida- A iluminação pode ser feita com spot ou fita de  led.

Sanca aberta invertida- em ilha – ótima também para sala de tv, pois possui iluminação indireta. As sancas curvilíneas possuem um estilo mais clássico e as retilíneas possuem um estilo mais contemporâneo.

Sanca curvilínea- sanca clássica.

Sanca aberta curvilínea

Sanca retilínea